Vivemos a maior crise de refugiados da história recente e São Paulo é a principal porta de entrada no Brasil. A escassez de estruturas e programas governamentais de acolhimento faz com que os recém chegados tornem-se duplamente vulneráveis, pois muitos, famílias inteiras, sem conseguirem comunicar-se em Português e sem recursos financeiros, acabam ficando nas ruas, em invasões ou albergues precários. Infelizmente, muitos acabam vítimas do trabalho escravo.

Desde 2013, com o apoio de sua rede de amigos, José e Val Prado socorreram centenas de refugiados, sempre lutando com a falta de casas para acolhimento. Em outubro de 2015, cansados de improvisações, decidiram abrir, por conta própria, uma “casa de passagem”. Assim nascia a “Casa Azul” que se tornaria o primeiro projeto do Dignità. Nela é oferecido aos refugiados em situação de risco um lugar seguro, amigável, acolhedor, o mais próximo do que seria um lar.

A Casa Azul fica num lugar tranquilo na zona Oeste de São Paulo e prioriza o acolhimento de mulheres, famílias com crianças e casos de perseguição religiosa. Focamos neste grupo por ser ele o mais vulnerável entre os vulneráveis.

Durante 2016, por conta da grande demanda, tivemos que expandir este serviço, alugando outras duas casas (uma delas exclusivamente para homens solteiros), estruturando um programa que visa garantir, seja na Casa Azul ou em outras unidades, a dignidade das pessoas a partir do item mais básico de sobrevivência, uma casa pra morar.

Todas as nossas três unidades são sustentadas por doações particulares. Você pode nos apoiar. Precisamos de parceiros! Clique aqui pra fazer sua doação.

Em razão do perfil e do histórico das pessoas que atendemos, possíveis visitas devem ser solicitadas e agendadas. Contate-nos caso queira mais informações: contato@dignita.org.br